Comer bio. Cada vez mais ouvimos familiares e amigos que estão mais conscientes de como comem e sobre aquilo que comem. Eu sou um daqueles que fala, promove e tenta praticar uma vida e alimentação saudável, adoptando uma vertente mais limpa e biológica. Há malta que já deve estar a pensar, “Este tem a mania. Outra vez com a conversa do saudável”.  Calma, não quero ser fundamentalista!

Sempre que posso compro produtos biológicos, embora que ainda não o faço na quantidade que quero. Por vezes é difícil ser 100% BIO. Desde o início da minha  mudança, tento comer de forma saudável, antes, durante e depois das provas, mesmo sabendo que é extremamente difícil conseguir produtos ‘limpos’ sem adição de ingredientes estranhos ou geneticamente modificados. Cada vez mais tenho a certeza que a escolha certa na alimentação, potencia e melhora o desempenho e o bem-estar em provas e no dia-a-dia.

Quem me acompanha sabe que a nutrição é um ponto importante quando vou para uma prova. No ano passado, quando comecei a preparar o ULTRA do MIUT, tentei encontrar produtos mais saudáveis para comer durante a prova, embora que não me foquei muito nesta tarefa, já que a vontade era concluir a prova e nada mais. Mesmo assim, e dando continuidade às minhas pesquisas, defini que este ano ia aumentar a parada e ia fazer o MIUT com alimentação biológica e produtos naturais.

Acreditem, isto não é por moda nem por promoção ou algo do género!

Eu acredito que uma boa alimentação e bons produtos são importantes para o nosso corpo! Nas corridas é essencial, principalmente em provas que exigem muito da nossa ‘máquina’, sujeitando o corpo a condições mais extremas. Se decidirmos comer bem e saudável, minimizamos este desgaste.

O meu plano alimentar já está programado. Basicamente vou comer coisas que já testei. A maior parte delas têm vindo acompanhar-me desde o ano passado, conforme as recomendações da Nádia (para quem não sabe, é a minha super, mega, hiper, Nutricionista).

O que vou comer?

Este ano adicionei e alterei alguns alimentos

As sandes de atum com cenoura, tomate e beterraba serão certamente biológicas (e não é fácil encontrar pão bio), bem como as refeições de “garfo e faca” que terão batata doce. As barras já são BIO desde o ano passado (vou comer Lifebar, Roobar e Raw Bite – disponíveis na mercearia do Plano D), são as minhas favoritas e pelo que sei, são as favoritas de alguns atletas da região.  Mass duas grandes mudanças deste ano estão nos ‘combustíveis’ mais imediatos: o gel e o isotónico!

Desde o início da preparação para esta prova comecei a tomar Tailwind. Já tinha lido sobre o produto e o Duarte, amigo e atleta do S.C. Santacruzense, falou maravilhas do mesmo. E assim foi, experimentei e dei-me super bem. A sua composição é simples, sem ‘ingredientes estranhos’ e sem O.G.M. – Organismos Geneticamente Modificados. Não é biológico, mas é o melhor produto que se encontra no mercado nacional.

Por fim, a outra mudança foi no gel. Um dos produtos energéticos mais sensíveis e invasivos para muitos atletas. Na sua composição tem imensos ingredientes modificados genética e quimicamente. Eu nunca fui um grande fã, embora que utilize como último recurso em algumas provas. Este ano, finalmente, encontrei um gel simples, de produção biológica e sem nenhum componente químico. Este era um dos produtos que mais queria mudar! Após inúmeras pesquisas, felizmente encontrei Chimpanzee Gel numa loja em Portugal. Depois de ter experimentado não quero outra coisa. Não é agressivo e o estômago agradece!

Assim preparei a alimentação da minha prova. Para além do desafio, que é completar uma corrida com três dígitos, aumentei a parada e apostei numa prova com uma alimentação feita em produtos BIO e sem adição de químicos ou produtos OGM. Fico contente por conseguir isto, sendo um grande passo e uma boa oportunidade de promover um estilo de vida mais saudável

Nota: Esta publicação não foi patrocinada

 



Autor

O Runner Anónimo é um blog sobre corridas e histórias pessoais de um desportista amador que vive na ilha da Madeira.

2 Comentários

  1. Não é fácil manter uma alimentação saudável com base em alimentos provenientes de agricultura biológica e considerados “limpos”, mas noto que cada vez mais há mais oferta e mais pessoas interessadas em seguir esse “modelo”. Eu sempre que posso consumo biológico, alimentos não processados e sem ingredientes estranhos nos rótulos. E sou feliz assim. Embora também seja olhada como extremista… ainda estou muito longe de conseguir ser tão “saudável” como queria.
    Fiquei curiosa em relação a esse gel. 😉

  2. Pingback: Quanto custa uma prova de 100k - MIUT 2018 - Runner Anónimo

O vício das corridas
na tua caixa de e-mail

Subscreve e recebe todas as novidades do blogue.

Obrigado!

Algo está mal...