Categoria

Desafios

Categoria

‘Como tu não há igual’ – Trail do Porto Santo 2018

“Depois da tempestade vem a bonança”.

Doze anos depois regressei ao Porto Santo. Este regresso parecia estar agoirado pelo tempo tenebroso que era tão apregoado por ‘marujos de de água doce’, que temiam de uma espécie de ‘Adamastor’, que estaria à espreita entre a Ponta de São Lourenço e a tão conhecida e temida ‘Travessa’. A verdade é que o tempo era incerto. A chuva e o vento não davam tréguas, mas havia uma legião de destemidos aventureiros que acreditavam poder pisar uma ilha conhecida por “Dourada”, mas que estava pintada de verde esperança.

Beleza e Lama em Abundância – III Trail da Boaventura

A Costa Norte da Madeira é especial. Há sempre algo para descobrir ou explorar neste pedaço de terra, onde a natureza brindou o Homem com paisagens únicas, uma floresta verdejante e trilhos fotogénicos que fascina qualquer pessoa. 

Admito que a Boaventura não é um dos sítios que vou nos fim-de-semanas ou que levo amigos que vêm de férias à Madeira. Sabia onde ficava, já tinha lá passado mas nunca imaginei a tamanha beleza desta pequena freguesia da nossa ilha.Quando me inscrevi não estava à espera de descobrir tantos locais que merecem ficar marcados na minha memória fotográfica.

A chuva, que parecia querer “abençoar” a prova, arrefeceu os corpos quentes que partiram rumo às montanhas do norte, que mais pareciam ser SPA’s em grande escala, onde os “tratamentos” de lama abundante faziam parte do programa de ambas as provas.

Como será 2018…

2017 foi uma verdadeira “montanha de sensações”, com altos e baixos que definiram toda a altimetria de um ano espetacular, marcado pelo objectivo cumprido. Entre as desistências em várias provas, por causa de indisposições, e a “vitória” gloriosa que foi acabar uma Ultra, este ano traçou novos desejos e objectivos para os próximos tempos.

Lutar, acreditar, vingar – Tudo para atingir um objectivo

Eu sempre gostei dos Jogos Olímpicos (JO). Os primeiros JO que tenho memória de ver foram os de Barcelona, em 1992. A televisão era quadrada e a limitação de canais era real. Na Madeira só existia a RTP local, com uma emissão que começava às 12h00 durante os dias de semana. Enfim, outros tempos!

Voltando ao assunto… lembro-me de ficar vidrado a ver o atletismo. Adorava ver as provas de velocidade. Lembro-me de ver e sonhar com o momento das medalhas, como se um dia fosse lá estar. A cerimónia de entrega tinha uma importância tão grande para os atletas e para aqueles que assistiam a consagração de mais um(a) supra-sumo das corridas. Sonhos de criança que não se tornaram realidade. O bichinho ficou…

O vício das corridas
na tua caixa de e-mail

Subscreve e recebe todas as novidades do blogue.

Obrigado!

Algo está mal...