Kilian Jornet – Um ‘mau’ exemplo

Calma, não comecem a atirar pedras!

Admiro bastante o Kilian! É um desportista nato, cheio de garra e motivação, mas depois da aclamada vitória no Hardrock 100 deste ano, achei que desta vez não seja o melhor exemplo para os “comuns mortais” que apreciam e desfrutam desta modalidade .

Depois das duas subidas ao topo do Everest, Killian atingiu um lugar nas cadeiras dos deuses do desporto, conseguindo um feito incrível, que vai ficar gravado na história dos desportos de montanha. Umas semanas depois, lá andava o homem, cheio de força e vontade, a correr a Maratona do Mont Blanc, que venceu categoricamente, seguida pela prestação “heróica” no Hardrock 100, onde chegou à meta, imagine-se, com o ombro deslocado.

Será que é um bom exemplo?

Eu não acho que seja um bom exemplo! Digo isto com todo o respeito que tenho por este grande atleta, que é, indiscutivelmente, o melhor desta modalidade.

Um grande atleta procura e luta por conseguir o melhor resultado possível, e isso é inquestionável. No entanto, há exemplos que devem ser vistos de forma individual, já que nem todos os atletas são iguais.

Corpos, resistência, capacidades e genética são variáveis que dependem muito de indivíduo para indíviduo. Killian é um “monstro” dos trilhos e, para além das capacidades físicas, deverá existir uma capacidade genética que está inerente a este super atleta.

Por esta mesma razão, o aconteceu não deve ser tomado como exemplo de superação por parte dos atletas amadores, que por vezes exageram e “abusam” da sorte e do corpo, pensando que são os “Killians” dos trilhos por onde andam.

Estas atitudes podem influenciar muita gente e principalmente criar problemas maiores a aqueles que não ouvem o seu corpo e mente. 

Não exagerem e mantenham o equilíbrio em todos os aspectos.

Escrito por Runner Anónimo
O Runner Anónimo é um blog sobre corridas e histórias pessoais de um desportista amador que vive na ilha da Madeira.