O MIUT está à porta!

A ilha da Madeira prepara-se para receber centenas de aventureiros que partem para conquistar os 115km de trilhos espetaculares que atravessam a ilha, num desafio duro que figura na lista das melhores do Mundo!

Uma prova deste calibre, com um percurso exigente, precisa de uma preparação física e psicológica exigente para que seja possível ultrapassar todos os desafios que podem surgir.

Em 2017 fiz a a ULTRA, foi a minha primeira (podes ler aqui e aqui) e no ano passado fiz a minha estreia em provas de três dígitos, num ano atípico, onde o frio e a chuva fizeram das suas. (podes ler os meus relatos sobre esta aventura aqui e aqui)

Numa prova como esta existem um conjunto de recomendações que são úteis para que tudo corra com tranquilidade e sem stress de última hora!

Vamos começar!

O que não deves fazer no MIUT

Ficar obcecado com as barreiras horárias

As barreiras horárias são importantes, mas não devem ser o teu foco. Muita gente que faz o MIUT fica obcecada com o limite das barreiras horárias. Todos sabemos que o primeiro terço é duro e exige muito de nós. Se colocas um ritmo elevado nesta primeira parte da prova, poderás pagar a factura mais para frente. Tenta gerir, mas não estejas sempre preocupado! Se estás bem preparado e não tiveres nenhum situação complicada durante a prova, facilmente consegues passar antes das barreiras.

Madeira Island Ultra Trail

Dar tudo nos primeiros 30 km de prova

A chegada aos Estanquinhos está sempre na mente desde a partida no Porto Moniz. Não só pela questão da barreira horária, com que muitos ficam preocupados, mas principalmente pela dureza que isto implica. São 3000 m de D+ em 30 Km! É “muita fruta” para “comer” logo no início de uma prova de 115. Tendo em conta que neste ponto ainda não chegaram ao fim do primeiro terço da prova, temos de pensar na gestão dos 85 km que ainda faltam. Não entrem em parafuso nem arrisquem muito. Mais vale gerir para depois atacar numa fase mais “segura”.

Ir só com o equipamento obrigatório

Eu, e todos os outros que fizeram os 115km em 2018, passámos por uma grande chuvada e frio, que se fizeram sentir na primeira noite de prova. Tal como foi noticiado, muitos atletas desistiram por causa das condições adversas nas zonas de maior altitude.

O MIUT, como qualquer outra prova bem organizada, tem uma lista de material obrigatório, para que os atletas estejam precavidos para diversas situações que possam surgir. No entanto, recomendo levarem algumas coisas extra.

Por segurança, principalmente por causa do frio, devem levar uma camisola ou camisola térmica na mochila, caso fiquem muito molhados durante as primeiras horas de prova, onde as temperaturas podem atingir valores perto dos 0 graus. Para além disto, recomendo vivamente levar um par de meias extra na mochila. Dá sempre jeito.

Não comer e hidratar bem no PA do Curral das Freiras

A Base de Vida do Curral das Freiras é um ponto estratégico da prova. É aqui que vais reabastecer e recarregar as baterias antes da longa e dura subida até ao Pico Ruivo.

Come bem e hidrata-te em condições para que tenhas energia suficiente nesta subida. Caso não consigas comer, espera até o corpo acalmar e começa a beber e comer aos poucos. É super importante sair daqui com a “bateria carregada”!

Cordilheira montanhosa central da ilha da Madeira
Cordilheira montanhosa central da ilha da Madeira

Pensar que a prova está feita depois do Pico Areeiro

É verdade que depois de passar os Picos a prova fica mais amiga. Mas não se podem esquecer que já vão com cerca de 80km e 6200m D+. A partir daqui a prova é feita, na maior parte, em modo descida. Algumas das zonas são técnicas e o cansaço pode dificultar. Mantenham o foco e continuem no vosso ritmo. A prova só acaba quando avistares a meta em Machico.

Deitar lixo para o chão ou desrespeitar o regulamento (em esta ou em qualquer prova)

Há sempre gente que não tem consciência e deita os seus pacotinhos de gel e de barras para o chão.

Alguns (felizmente são muito poucos) não querem cumprir o regulamento e esquecem que, acima de tudo, devemos ser companheiros e não somente adversários.

A natureza oferece o melhor de si. Não deitem lixo para o chão e respeitem todas as regras. Assim terás uma experiência única nesta prova!

MIUT - Madeira

O que deves fazer no MIUT

Pensamento Positivo

Mete os nervos e ansiedade de parte e deixa-te levar pela aventura. Atravessar uma ilha como a Madeira não é para todos.

Mesmo nas situações de maior stress ou cansaço, tenta relaxar e pensa em todo o esforço, dedicação e preparação que tiveste nos últimos meses. Este é o teu momento.

Ter atenção à descida para o Curral das Freiras

A descida para o Curral é uma descida rápida mas muito técnica. Num trilho cheio de curvas e contra-curvas, cheio de pedras de diversos tamanhos e com muita “pedra rolante”, são factores que podem dificultar. O chão, como é mais duro, torna a descida menos amiga em termos musculares.

Gestão na subida para o Pico Ruivo – Areeiro

Para mim, esta é o troço mais importante de todo o MIUT. Há muita gente que não sabe gerir e chega ao Ruivo sem forças, o que pode ditar o abandono no ponto mais alto da ilha. A subida é longa. São 10 km sempre a subir, rumo “céu”.

Depois de chegar ao Ruivo, ainda têm o “sobe e desce” com centenas de escadas que nos levam até ao Areeiro. É duro, mas as vistas valem todo o esforço.

Comer e hidratar bem

As ultras exigem um plano alimentar bem pensado. Eu sei que há muita gente que come qualquer coisa e não tem problemas. Mas também há muita gente que não tolera tudo e que por vezes não consegue comer.

Não hidratar nem comer poder ser a “morte do artistas”. Por isso já sabes. 😉

Aproveitar as vista fantásticas

A Madeira tem vistas fantásticas.

Durante o percurso do MIUT vais correr em florestas que parecem cenários de filmes encantados! Vais poder correr e apreciar as famosas levadas da Madeira; ver as vistas do vale da Serra de Água e contemplar as imponentes montanhas entre o Pico Ruivo e Areeiro, que te vão levar ao universo do “Senhor dos Anéis”.

Desfruta ao máximo!

Amigos Trail Running Madeira

Fazer novos amigos

Tanto na ULTRA como no MIUT conheci pessoas espetaculares. Falámos de tudo um pouco e partilhamos experiências e objectivos. Isto é o melhor dos trilhos. Aproveita para conhecer outras pessoas e criar amizades para uma vida!

Boa sorte e muita força para todos aqueles que vão rumar neste desafio!

Autor

O Runner Anónimo é um blog sobre corridas e histórias pessoais de um desportista amador que vive na ilha da Madeira.

O vício das corridas
na tua caixa de e-mail

Subscreve e recebe todas as novidades do blogue.

Obrigado!

Algo está mal...