Eu, ultramaratonista, assumo que pequei!

Estive pensando em tudo! Tudo o que tenho feito, em todas as minhas atitudes, todos os meus pensamentos, e reconheço que, por vezes, esqueço de ver as fitas, e sigo pelos trilhos errados. Pequei tanto, que nem sei se começo a pedir perdão pelas inúmeras horas de fantásticos treinos ou se me redimo pelas selfies que tirei com amigos durante aquela prova espetacular que aconteceu no fim-de-semana passado.

Eu sei que não fui o mais correcto quando não parei naquele posto de abastecimento para comer um quadradinho do bolo delicioso que toda gente falava na meta. Foram tantas as vezes que pequei, espero não ir parar ao inferno, onde as sapatilhas não têm nenhum tipo de amortecimento e onde as palmilhas aquecem como tudo.

Falando de sapatilhas…  perdão pela centena de euros que gastei ao comprar aquelas Hoka One One que tanto queria. Com elas tornei-me ainda pior.  A vontade de as sujar na lama eram tantas, que fui logo estrear no dia que as comprei.

Os meus pés estão cheios de marcas da minha “caminhada”, e os meus problemas parecem aumentar cada dia mais. Estou sentindo um vazio dentro de mim, como se a montanha me fizesse falta! Por vezes quero ir treinar, mas não consigo. O trabalho não me deixa. Sinto que um pedaço do meu coração sente a falta da emoção que é correr livre, onde as vistas não têm fim.

Eu, pecador, me confesso por falhar alguns treinos, pelo dinheiro que gasto em material, por não comer nas horas certas e por beber algumas cervejas nos dias antes das provas. Por minha culpa, minha tão grande culpa, confesso que comi um francesinha quando a nutricionista disse que devia cortar nas porcarias.

Para a redenção de todos os meus pecados deixo aqui as minhas preces, esperando que o futuro seja ainda melhor e com muitas provas para fazer:

Trail Nosso

Trilhos nossos, que estão na montanha, glorificado sejam os vossos desníveis. Venha a nós esses postos de abastecimento, seja feita toda a quilometragem, assim na terra ou nos caminhos com lama. Um treino de qualidade nos dais hoje, perdoai-nos das nossas loucuras assim como perdoamos aqueles amigos que nos ultrapassam. Não nos deixei cair no chão e livrai-nos da má disposição. Ámen.

A todos os que andam a “pecar”, divirtam-se e que os trilhos esteja sempre convosco! ; )



Autor

O Runner Anónimo é um blog sobre corridas e histórias pessoais de um desportista amador que vive na ilha da Madeira.

O vício das corridas
na tua caixa de e-mail

Subscreve e recebe todas as novidades do blogue.

Obrigado!

Algo está mal...