No passado dia 17 de Outubro fez um ano que comecei a correr, cheio de vontade e motivado com uma perda de peso que estava perto do fim. Durante o texto vão perceber como comecei nas corridas…

Continuando a minha história sobre a perda dos 45kg (a primeira parte está aqui), vou contar-vos tudo como perdi esta “imensidão de preocupações” que me impediam ter uma boa saúde.

Depois de ter sido diagnosticado com a “maldita” apneia do sono, a minha vida mudou. A primeira sensação de medo foi tão grande que parecia que tudo o que já tinha passado na minha vida não existia. Nessa altura, os problemas pareciam estar todos concentrados num só, o que levou ao aumento da ansiedade e da vontade de dar a volta à situação! Era quase uma obrigação, imposta por uma “ditadura” pessoal, o que vinha aumentar a pressão e a exigência comigo mesmo.

Foi duro. Mal conseguia dormir com a preocupação inerente ao problema…

Dezembro de 2013. O início da “caminhada”.

Depois de um Natal cheio de coisas boas, com almoços e jantares sem fim, comecei a olhar para mim de maneira diferente. No dia 23 de de Dezembro, recebi uma série de amigos em casa em mais uma “Noite do Mercado”. Foram risadas, comidas, bebidas e muitas conversas, algumas em redor do meu problema.

No início evitava falar com muita gente sobre o assunto, mas quando surgia oportunidade de falar mais abertamente e sem rodeios, perdia a vergonha e medo. Às vezes era libertador, por outras sentia-me como alguém com uma doença complicada…

Passou-se a época festiva. Estava decido em mudar e acabar com o mal estar físico e psicológico.

Acordar, pedalar e pedalar.

Era um ano novo, inverno tropical e novas rotinas. Eu tenho por hábito traçar os meus objectivos pessoais na altura do meu aniversário. Foi algo que sempre fiz, talvez porque é em Janeiro, e não é assim tão tarde para definir as metas para mais um período de 12 meses. Fugindo ao que era “tradição”, em 2014 comecei mais cedo do que o previsto e defini um único objectivo pessoal: baixar de peso.

Comecei por criar alguns hábitos e regras. O primeiro passo foi tomado, comecei na pesquisa e leituras sobre como perder peso de forma saudável, ao mesmo tempo fui falando com amigos da área da saúde. Tinha de começar por algum lado.

A primeira decisão “rumo à mudança” foi  comprar uma bicicleta estática. Tinha visto uma no panfleto do supermercado Continente, era a mais barata e perfeita para ter em casa. Que bela compra!

Assim deu-se ao início do fim de uma vida sedentária.

Acordava por volta das 7h00 da manhã e pedalava. Os primeiros dias foram um massacre! Era o selim, as pernas, o cansaço. Enfim, um “cocktail” de situações perfeitas para desistir.

A persistência estava bem assente e assim continuei com esta rotina durante 5 meses.

Em paralelo com o exercício físico, depois de analisar muitos factores e pedir opiniões a um amigo dietista (fica aqui o meu grande obrigado ao Rúben Silva), comecei com uma dieta rigorosa, sem deixar de comer, mas com horários bem definidos!

O primeiro passo foi cortar! A lista é longa:

Refrigerantes (todos!), todo o tipo de fritos, manteiga, bolos com e sem creme, hambúrgueres (só comia feitos em casa), molhos, maioneses, natas, comidas congeladas (isto é, comidas pré-cozinhadas que se vendem nos supermercados), iogurtes de origem animal, sobremesas, gelados, óleo vegetal, entre outras coisas mais pequenas…

Depois do corte foi necessário encontrar alternativas e criar uma espécie de plano alimentar. Desde o início já tinha em mente um plano de 5 refeições diárias, começando pelo pequeno-almoço e acabando num jantar ligeiro.

Pequeno-almoço

O pequeno-almoço tornou-se a refeição rainha, juntamente com o almoço. Pão, panquecas de aveia e grão de bico (sim, grão de bico) faziam parte da “ementa” matinal. Também comia queijo, no entanto deixei nos últimos tempos. Apercebi-me que sofro de intolerância aos laticínios.

Antes acompanhava a refeição matinal com um café expresso, mas depois de algum tempo, abandonei. Foi a melhor escolha, o café “puxava” muito pelo sistema nervoso.

Lanche da manhã.

Uma peça de fruta e algumas bolachas. Foram as minhas escolhas. Recentemente mudei, depois da recomendação da dietista Nádia Brazão. Agora como uma peça de fruta e frutos secos (caju, castanha do Pará ou avelãs).

Almoço

Era a segunda refeição com mais impacto, a par do pequeno-almoço era e é uma das mais importantes no meu dia-a-dia. Como de tudo um pouco.

Tento ter uma boa quantidade de hidratos, legumes e proteínas. Nos hidratos tinha as variações do arroz, massa e/ou batatas. Nos legumes, todos da época. São os melhores e os mais adequados. Na minha lista de preferência tenho os bróculos e a cenoura. Por fim, as proteínas são escolhidas conforme o plano semanal. Evito comer carnes vermelhas, embora que não sou 100% contra. Aposto em carnes brancas (peru ou frango) e peixe, desde que não seja de aquacultura ou de regiões muito distantes.

Lanche da Tarde

Tinha tendência de fazer o mesmo que fazia no lanche de manhã, no entanto tentava variar na peça de fruta.

Jantar

Este foi o ponto mais complicado, já que os velhos hábitos tinham um prato bem abastado. Durante um ano, com algumas excepções, comi sempre uma sopa ou uma salada com legumes ou leguminosas, tomate, alface.

Olhando para trás o processo não foi muito complicado. Digo isto de uma forma muito sincera e sem exageros. Para conseguir perder 45 Kg num ano tive de ter muita regra, motivação e principalmente força de vontade. Foram alguns esforços, jantares com amigos em que o meu prato não condizia com a “realeza” e as celebrações, mas assim tinha de ser!

Na última fase e depois de perder 35kg, em Outubro de 2014, comecei nesta loucura das corridas. Foi algo que me deu e trouxe um prazer e satisfação enorme. Sentir que podia correr, sem problemas e sem exigir grandes esforços ao meu corpo, trouxe um novo ânimo. Foi como voltar aos meus 16 anos, uma altura onde praticava desporto.

Depois de alguns quilómetros, feitos entre Outubro e Dezembro de 2014, perdi os meus últimos 10kg desta “corrida”, chegando aos 80 Kg.

Actualmente, peso 75kg, ajustei algumas coisas em relação à minha dieta, principalmente na escolha dos produtos alimentares e faço desporto 4-6 vezes por semana. 🙂 (nesta fase tenho de agradecer o excelente acompanhamento da dietista Nádia Brazão)

Caso tenham passado por uma situação parecida ou queiram mudar os vossos hábitos, comentem ou entrem em contacto e assim posso explicar melhor como foi o meu processo e indicar profissionais de confiança que me ajudaram a melhorar a minha saúde.

Escrito por Runner Anónimo
O Runner Anónimo é um blog sobre corridas e histórias pessoais de um desportista amador que vive na ilha da Madeira.