Como sabem, eu não costumo utilizar o blogue para falar da minha rotina diária, seja ela profissional ou familiar. Não o faço porque acho que o intuito do blogue é simplesmente a vertente do desporto, saúde e bem-estar, entre outras histórias relacionadas. No entanto, existem pequenas histórias pessoais que devemos contar e dar a conhecer, não só pelo exemplo, mas também pelo valor emocional que elas têm…

Cá em casa, temos um amigo de quatro patas de nome Nico. Este “rapaz”, como eu gosto de o chamar carinhosamente, é um grande castiço que vive connosco. Aqui em casa gostamos muito dele, não só pela companhia, pela boa disposição constante mas também pela sua grande lealdade, típica dos cães. Mas atenção, não é só isto que admiramos nele!

O Nico é um cão especial. Eu sei que isto é um cliché característico das pessoas que têm cães e gatos. Para mim ele é especial em vários sentidos. O “rapaz”, já tem cerca de onze anos, está na sua terceira idade, embora que parece um eterno jovem, cheio de energia e vitalidade, onde vontade de correr, saltar e descobrir todos cantos e recantos por onde passa é uma constante. Nos últimos anos ele passou por duas situações de saúde complicadas. Primeiro foi uma filariose, da qual felizmente ficou curado na totalidade. Para quem tem cães e não sabe o que é a Filariose, recomendo que se aconselhem com o Veterinário, no intuito de prevenir esta doença que afecta muitos animais. Mais recentemente, desde Novembro de 2017, foi diagnosticado um problema num dedo de uma das patas da frente. A situação agravou-se e foi necessário proceder a uma intervenção cirúrgica de remoção do dedo, para que não houvesse problemas mais complicados.

Como devem imaginar, numa primeira fase foi difícil aceitar tal realidade. Havia medo que ele tivesse dificuldades em andar e correr, algo que ele adora fazer. Sendo alguém tão próximo e tão querido, ficámos com o coração na boca. Por vezes bastante aflitos, pensando sempre no melhor para a saúde do Nico. Desde então tem sido uma luta, não só para nós, mas principalmente para ele, que aceitou isto com uma tamanha normalidade, mostrando sempre a sua coragem, vontade e resistência. 

Desde que ficou com a Filariose, foi sujeito a um tratamento longo e pesado que o deixou em baixo durante umas semanas. Mesmo assim, ele esteve sempre bem disposto e mostrando que não havia dor nem problemas. Durante estas três semanas, e depois da amputação do dedo, ele mostrou toda a sua garra e vontade de lutar contra esta adversidade, mostrando uma grande força, mesmo em sacrifício. Nunca deu espaço à fraqueza ou dor. Por vezes gemia de uma forma quase silenciosa, para não nos preocupar.

Eu gosto muito deste “rapaz”! Com estas situações todas, olho para o exemplo e força de vontade que ele tem e demonstra. É incrível! Ele encara tudo isto, mesmo que tenha ou não noção do que se passa na realidade, como se fosse um verdadeiro guerreiro. Mostrou sempre a sua parte forte, querendo dar um exemplo de como devemos encarar tudo na nossa vida. Sempre com força, coragem, boa disposição e tranquilidade.

São estes pequenos pormenores que gosto de ter e levar comigo, seja no meu dia-a-dia ou nas provas e desafios mais complicados. 

Nico, és mesmo um grande amigo. Obrigado por estares connosco!



Author

O Runner Anónimo é um blog sobre corridas e histórias pessoais de um desportista amador que vive na ilha da Madeira.

Write A Comment

O vício das corridas
na tua caixa de e-mail

Subscreve e recebe todas as novidades do blogue.

Obrigado!

Algo está mal...